Indústria se mostra otimista e projeta novos investimentos para os próximos 12 meses

O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria, medido pela Fundação Getúlio Vargas e divulgado pela Agência Brasil, avançou 7,9 pontos no segundo trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. Com o resultado, o indicador atingiu 107,9 pontos, em uma escala de zero a 200, o maior patamar desde o terceiro trimestre de 2014 (109,3 pontos). Quando o indicador fica acima de 100 pontos, indica otimismo.

A proporção de empresas prevendo investir mais nos 12 meses seguintes (25,6%) superou o percentual daquelas que projetam investir menos (17,7%). Esse saldo positivo não ocorria desde o primeiro trimestre de 2015, quando os percentuais haviam sido de 28,5% e 27,7%. No trimestre anterior, esses percentuais haviam se igualado em 19,9%.

Em relação à execução de seu plano de investimentos, 25% das empresas estão certas de que o farão, enquanto 21,3% estão incertas. No trimestre anterior, os resultados haviam sido de 29,2% e 22,7%, respectivamente.

O futuro da indústria está na transformação digital

A Transformação Digital engloba tecnologias emergentes como inteligência artificial, nuvem, analytics, robótica avançada e internet das coisas. A aplicação isolada ou combinada destas tecnologias na indústria está criando novos modelos de negócio e tornando outros obsoletos.

É neste contexto que avança a Internet Industrial, conectando equipamentos e máquinas que operavam isoladamente e gerando grande volume de dados em tempo real. O tratamento dessa massa de dados por softwares de análise gera informações capazes de criar ganhos de eficiência e vantagens competitivas acentuadas para as empresas de diversos setores, como manufatura, transporte, geração de energia e cuidados com a saúde.

Especialistas estimam que até 2020 a Internet Industrial conectará 50 bilhões de coisas e que este mercado, nos próximos 15 anos, movimentará cerca de US$ 15 trilhões.

A hora da Internet Industrial

“Acreditamos que o momento atual nos motiva a trabalhar ainda mais iniciativas que fortaleçam a internet industrial no Brasil”, afirma o Diretor de Marketing e Produto da Senior, Alencar Berwanger.  Primeira softwarehouse a se associar à ABII – Associação Brasileira de Internet Industrial – a Senior já atua com soluções que envolvem inteligência artificial em um projeto implantado na Urbano Agroindustrial, de Jaraguá do Sul/SC. “Pioneiro no Brasil, o projeto revoluciona o processo de monitoramento e controle do volume dos grãos armazenados nos silos de beneficiamento de arroz, reduzindo perdas e permitindo a gestão em tempo real”, afirma o Diretor de Tecnologia da Senior, Jean Vieira. A solução foi a grande vencedora na categoria Watson IoT do IBM Beacon Award – uma das mais importantes premiações mundiais de tecnologia, que aconteceu em Las Vegas, em fevereiro deste ano.

Oficializada em agosto de 2016, em Joinville (SC), a ABII fomenta o debate entre setores privado, público e acadêmico, a colaboração e intercâmbio tecnológico e de negócios com associações, empresas e instituições internacionais e a realização de estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias e inovação.

A ABII foi inspirada no Industrial Internet Consortium – IIC, criado em 2014, nos Estados Unidos, com o mesmo fim, pela IBM, GE e Intel, e do qual a Pollux Automation, de Joinville, e o Senai Santa Catarina são as duas empresas brasileiras presentes até o momento.

“Ao participar da ABII, as empresas brasileiras se mantém atualizadas das tendências, aplicações e desafios mundiais relacionados à internet das coisas. É muito importante que os empresários entendam e participem deste momento, para que possam se posicionar e definir suas estratégias para encarar essa revolução”, afirma o presidente da entidade, José Rizzo.

Fonte: Senior